SPACE PortugalTornar-se [email protected]

Avaliação dos efeitos precoces da Ketamina em vieses de atualização de crenças em pacientes com depressão resistente ao tratamento

KetaminaEstudo Observacional

28 de setembro de 2022, JAMA Psychiatry

Autores: Hugo Bottemanne; Orphee Morlaas; Anne Claret; Tali Sharot; Philippe Fossati; Liane Schmidt

Ensaios clínicos mostraram que crenças negativas persistentes mantêm a depressão e que infusões subanestésicas de ketamina induzem respostas antidepressivas rápidas.

Objetivo: Avaliar se a ketamina altera a atualização de crenças e como tais efeitos cognitivos estão associados aos efeitos clínicos da ketamina.

Metodologia: Pacientes com depressão resistente ao tratamento (TRD) e participantes voluntários saudáveis com idades entre 34 e 68 anos foram incluídos. Os pacientes com TRD foram diagnosticados com perturbação depressiva major ou depressão bipolar, tiveram uma pontuação na Escala de Avaliação de Depressão de Montgomery-Åsberg maior que 20, uma pontuação no Método de Estadiamento de Maudsley maior que 7 e não responderam a pelo menos 2 ensaios antidepressivos anteriores. Os critérios de exclusão foram quaisquer outras comorbidades psiquiátricas, neurológicas ou neurocirúrgicas, uso de substâncias ou transtornos aditivos e consumo recreativo de ketamina. Os dados foram colhidos de janeiro a fevereiro de 2019 e de maio a dezembro de 2019, e os dados foram analisados de janeiro de 2020 a julho de 2021. Os pacientes com DRT foram observados 24 horas antes da infusão única de ketamina, 4 horas após a infusão e 4 horas após a terceira infusão, que foi 1 semana após a primeira infusão. Participantes de controle saudáveis foram observados duas vezes com 1 semana de intervalo sem exposição à ketamina.

Resultados: Dos 56 participantes incluídos, 29 (52%) eram do sexo masculino, e a idade média (SEM) foi de 52,3 (1,2) anos. Um total de 26 pacientes com TRD e 30 participantes controle foram incluídos. Um grupo significativo × tempo de teste × interação de valência de notícias mostrou que pacientes com TRD atualizaram suas crenças mais após boas notícias do que más notícias após uma única infusão de ketamina (controlada por idade e educação: β = −0,91; IC 95%, −1,58 a − 0,24; t216 = -2,67; P = 0,008) do que os controles. A modelagem computacional mostrou que esse efeito estava associado a taxas de aprendizado assimétricas (LRs) após o tratamento com ketamina (LRs de boas notícias após ketamina, 0,51 [SEM, 0,04]; LRs de más notícias após ketamina 0,36 [SEM, 0,03], t25 = 3,8; P < 0,001) e respostas antidepressivas precoces parcialmente mediadas (caminho a*b: β = −1,00 [SEM, 0,66]; t26 = −1,53; z = −1,98; P = 0,04).

Conclusões: Estes resultados fornecem novos insights sobre os mecanismos cognitivos da ação da ketamina em pacientes com DRT, com perspetivas promissoras para psicoterapia aumentada para indivíduos com perturbações de humor.




Artigos relacionados

Ver todos os artigos