SPACE PortugalTornar-se [email protected]
COMP360 - Terapia com psilocibina mostra potencial no estudo open-label na Perturbação Bipolar tipo II

COMP360 - Terapia com psilocibina mostra potencial no estudo open-label na Perturbação Bipolar tipo II

18 de dezembro de 2022 9 minutos de leitura

  • Miguel Rosa
  • Psilocibina

A terapia com psilocibina COMP360 mostra potencial no estudo open-label na perturbação bipolar tipo II apresentada no ACNP - American College of Neuropsychopharmacology.

12 de 14 pacientes entraram em remissão durante três meses após uma única dose de 25 mg de psilocibina COMP360, num estudo exploratório, iniciado por um investigador independente, da perturbação bipolar tipo II.

Novos dados do ensaio da fase 2b da COMPASS, também apresentados no American College of Neuropsychopharmacology (ACNP), validam o potencial da terapia com psilocibina COMP360, na depressão resistente ao tratamento.

A COMPASS Pathways plc (Nasdaq: CMPS) ("COMPASS"), uma empresa de cuidados de saúde mental dedicada a acelerar o acesso dos pacientes à inovação baseada na evidência em saúde mental, anunciou hoje que, novos dados que demonstraram o potencial da terapia assistida com psilocibina COMP360, em depressão, foram apresentados na Reunião Anual do American College of Neuropsychopharmacology (ACNP). Os resultados foram apresentados a partir de um estudo exploratório, iniciado por um investigador em terapia assistida com psilocibina COMP360 para a perturbação bipolar de tipo II e também, a partir de uma análise mecanicista do ensaio da fase 2b da terapia assistida por psilocibina COMP360 na depressão resistente ao tratamento (DRT).

Perturbação bipolar de tipo II

Foram apresentados sinais iniciais positivos, num poster de um estudo piloto open-label, onde foi investigada a segurança e eficácia de uma única dose de 25mg de psilocibina COMP360 em participantes com depressão bipolar tipo II. O estudo, realizado pelo Dr Scott Aaronson em Sheppard Pratt Baltimore, concluiu que 86% (12 em 14) dos participantes cumpriram os critérios de remissão para a Escala de Depressão de Montgomery-Åsberg (MADRS) às 12 semanas após a terapia com psilocibina COMP360. Não houve aumento na pontuação de ideação suicida com base na MADRS; não houve sintomas maníacos e não houve eventos adversos ou dificuldades inesperadas com as sessões de dosagem relatadas ao longo do estudo.

"A perturbação bipolar de tipo II pode ter um enorme impacto na vida das pessoas, bem como dos seus entes queridos, e é extremamente difícil de tratar. É realmente encorajador ter visto 12 dos 14 participantes entrarem em remissão durante três meses, após apenas uma dose de 25 mg de psilocibina COMP360. Estas descobertas precisam agora de ser validadas em estudos maiores", refere Scott Aaronson, MD, Chief Science Officer, Institute for Advanced Diagnostics and Therapeutics, Sheppard Pratt.

Depressão resistente ao tratamento (DRT)

Novos dados do ensaio da fase 2b da psilocibina COMP360, recentemente publicado, também apresentados no ACNP, demonstram com maior robustez, o seu potencial em depressão resistente ao tratamento, e como pode funcionar:

Mecanismo de ação validado: a experiência de desbloqueio emocional* e os aspetos específicos da experiência psicadélica subjetiva** previram reduções na gravidade da depressão três semanas após a receção da terapia assistida por psilocibina COMP360. A relação entre a experiência psicadélica positiva e a resposta ao tratamento foi observada para as três doses estudadas.

Efeito de dose mais elevada: tanto a dose de 10mg como a dose de 25mg de psilocibina COMP360 produziram uma experiência psicadélica subjetiva, no entanto, a dose de 25mg foi significativamente melhor na redução dos sintomas depressivos em comparação com uma dose de 1mg. A dose de 10mg não foi considerada significativamente melhor do que 1mg.

Apoio psicológico: a aliança terapêutica entre o participante e o terapeuta não foi preditor de melhoria dos sintomas de depressão, sugerindo que a COMP360 pode proporcionar um maior efeito terapêutico através da sua ação farmacológica. Esta hipótese será ainda mais testada no programa da fase 3 da COMPASS.

David Feifel, Investigador Principal no estudo COMPASS da fase 2b do Kadima Neuropsychiatry Institute, La Jolla, Califórnia, referiu: "Os resultados positivos publicados no New England Journal of Medicine mostraram a eficácia da COMP360 na depressão resistente ao tratamento, e agora estas novas descobertas estão a fornecer conhecimentos sobre como esse efeito antidepressivo pode ser produzido. Esta nova análise sugere que as experiências psicadélicas positivas facilitam o desbloqueio emocional promovendo a alteração de padrões de pensamento nas pessoas com depressão".

O Dr. Guy Goodwin, Diretor Médico, da COMPASS Pathways acrescentou, "Estes estudos fornecem mais provas para apoiar o potencial da terapia com psilocibina COMP360 para a depressão resistente ao tratamento. A psilocibina liga-se aos recetores de serotonina no cérebro, e ao permitir que diferentes regiões do cérebro se liguem e comuniquem mais facilmente do que o habitual, produz uma experiência psicadélica profunda. Esta experiência é impulsionada pela dose da substância e correlaciona-se com o efeito sobre os sintomas depressivos. O apoio psicológico está centrado na segurança, o que facilita a experiência psicadélica, mas não impulsiona diretamente o efeito sobre a depressão: não é uma psicoterapia".

O COMPASS Pathways está a executar a primeira fase 3 do programa mundial de terapia assistida por psilocibina COMP360 em depressão resistente ao tratamento.

*Medido pelo Emotional Breakthrough Inventory, uma escala validada que avalia a experiência emocional. **Aspetos incluindo a ausência de limites, reestruturação visual, e alterações auditivas - tal como medido pelo questionário Five-Dimensional Altered States of Consciousness.

Sobre a depressão resistente ao tratamento (DRT)

Mais de 320 milhões de pessoas sofrem globalmente de perturbação depressiva grave, sendo esta a principal causa de incapacidade a nível mundial e uma das perturbações do foro da saúde mental de crescimento mais rápido. Cerca de um terço destes doentes - 100 milhões de pessoas - não encontram resposta através das terapias existentes e sofrem de depressão resistente ao tratamento. Cerca de 30% destes tentam o suicídio pelo menos uma vez durante a sua vida. A depressão resistente ao tratamento acarreta duas a três vezes os custos médicos de um outro doente com perturbação depressiva grave. Os doentes com depressão resistente ao tratamento têm uma mortalidade mais elevada em comparação com outros doentes com depressão. A população com depressão resistente ao tratamento é, por definição, mais difícil de tratar e mais suscetível de recair do que outros pacientes com perturbações depressivas graves. Em 2018, a COMPASS recebeu a designação de Breakthrough Therapy pela FDA para a terapia assistida por psilocibina COMP360 para depressão resistente ao tratamento.

Sobre a perturbação bipolar de tipo II

As perturbações bipolares são um grupo complexo de perturbações graves e crónicas que afetam cerca de 40 milhões de pessoas em todo o mundo. As perturbações bipolares I (BP-I) e bipolares II (BP-II) são algumas das principais formas de perturbações bipolares. Embora ambas envolvam mudanças de humor, energia, níveis de atividade e concentração, elas diferem na intensidade dos episódios maníacos e na prevalência de grandes episódios depressivos. As perturbações bipolares estão associadas a elevados níveis de incapacidade funcional, morbilidade, mortalidade, e um risco acrescido de suicídio. De facto, têm a taxa mais elevada de suicídio de todas as doenças psiquiátricas, que é cerca de 30 vezes superior à da população em geral.

Sobre a terapia de psilocibina COMP360

A COMP360 é a nossa formulação de síntese polimórfica cristalina estabilizada e de alta pureza da psilocibina. A psilocibina atua sobre recetores de serotonina 2a no cérebro. Acredita-se que atuar sobre este recetor pode fazer o cérebro atuar com maior flexibilidade, permitindo que as regiões se liguem e comuniquem mais facilmente. As ligações subjacentes a estados cerebrais pouco saudáveis, tais como na depressão resistente ao tratamento, podem voltar a ligar-se de uma forma mais saudável após os efeitos da substância terem desaparecido.

Sobre o estudo da COMP360 psilocibina fase 2b de terapia

Este ensaio clínico aleatório, controlado, multicêntrico e duplo-cego de fase 2b é o maior ensaio clínico de psilocibina alguma vez realizado, com 233 doentes de 10 países da América do Norte e Europa. 94% dos pacientes não tinham qualquer experiência anterior com psilocibina. O objetivo do ensaio era encontrar a dose adequada para um programa de fase 3 que a COMPASS espera iniciar em 2023.

O ensaio avaliou a segurança e eficácia da psilocibina da COMP360 em três doses: 1mg, 10mg, 25mg. Com um total de 233 pacientes admitidos no estudo, foram constituídos três grupos aleatorizados e cegos, compreendendo 79 pacientes para cada uma das doses de 25mg e 1mg, e 75 pacientes para a dose de 10mg. Os pacientes foram acompanhados durante 12 semanas. O ensaio utilizou a escala de classificação da depressão Montgomery-Åsberg (MADRS), uma escala amplamente utilizada e aceite para avaliar a depressão; as avaliações foram feitas de forma independente e cega. O parâmetro primário foi a alteração da pontuação total MADRS da baseline para a semana 3.

A COMP360 foi geralmente bem tolerada. No dia da administração da COMP360, as dores de cabeça, náuseas e tonturas foram os acontecimentos adversos mais comuns, onde um aumento da incidência relacionado com a dose era evidente. A ideação suicida e a automutilação intencional foram observadas em todos os grupos de tratamento (como é regularmente observado numa população com depressão resistente ao tratamento). A maioria dos casos ocorreu mais de uma semana após a sessão de psilocibina COMP360. Não houve um agravamento significativo dos resultados de ideação suicida na escala MADRS em qualquer grupo de tratamento. Foram relatados comportamentos suicidas pelo menos um mês após a administração da COMP360 para três não-respondedores no grupo dos 25mg.

Sobre a COMPASS Pathways

A COMPASS Pathways plc (Nasdaq: CMPS) é uma empresa de cuidados de saúde mental dedicada a acelerar o acesso dos doentes à inovação baseada em evidências, em saúde mental. O seu objetivo é melhorar a vida daqueles que sofrem com os desafios da saúde mental e que não são ajudados pelos tratamentos atuais. São pioneiros no desenvolvimento de um novo modelo de terapia com psilocibina, no qual a nossa formulação patenteada de psilocibina sintética, COMP360, é administrada em conjunto com apoio psicológico. A COMP360 foi designada como Breakthrough Therapy pela US Food and Drug Administration (FDA) e recebeu a designação Innovative Licensing and Access Pathway (ILAP) no Reino Unido para depressão resistente ao tratamento. Concluímos um ensaio clínico fase 2b de terapia psilocibina para depressão resistente ao tratamento, em 22 locais em toda a Europa e América do Norte e estamos a preparar o início de um programa fase 3 até ao final de 2022. Este foi o maior ensaio clínico aleatório, controlado e duplo-cego de psilocibina jamais realizado, e os dados topline mostraram uma melhoria estatisticamente significativa (p<0,001) e clinicamente relevante na gravidade dos sintomas depressivos após três semanas para pacientes que receberam uma única dose elevada de psilocibina COMP360 com apoio psicológico. Estão também a realizar ensaios clínicos de fase 2 de psilocibina COMP360 para a perturbação de stress pós-traumático (PTSD) e anorexia nervosa. A COMPASS está sediada em Londres, Reino Unido, com escritórios em Nova Iorque e São Francisco, nos EUA. www.compasspathways.com



Miguel Rosa
Miguel Rosa
Psicólogo | Membro Satélite SPACE

Mais posts

5 perguntas a Robin Carhart-Harris
  • Pedro Mota
  • Personalidades
7 minutos de leitura

5 perguntas a Robin Carhart-Harris

Em 2014, Robin Carhart-Harris tornou-se a primeira pessoa a administrar legalmente LSD no Reino Unido desde que a substância foi proibida em...

O renascimento dos Psicadélicos em Harvard
  • Pedro Mota
  • Psicadélicos
  • Sociedade
26 minutos de leitura

O renascimento dos Psicadélicos em Harvard

Nick C. Ige, de 25 anos, diz que não estaria em Harvard se não fosse pelas substâncias psicadélicas. Ige passou 10 anos como paraquedista e...

Ver todos os posts