SPACE PortugalTornar-se [email protected]
O que é a Psicologia Profunda e como é que esta se relaciona com os Psicadélicos?

O que é a Psicologia Profunda e como é que esta se relaciona com os Psicadélicos?

19 de julho de 2022 9 minutos de leitura

  • Catarina Cunha
  • Personalidades
  • Psiquiatria

Quando pensamos em psicologia, que imagens vêm à cabeça? Uma pessoa deitada num sofá, a falar da sua mãe? Um homem com um sotaque europeu espesso, a anotar de forma enigmática os sonhos de alguém? Testes de tinta? Charutos?

Acreditem ou não, todos estes clichés provêm da tradição da chamada “psicologia profunda”. Sigmund Freud e Carl Jung, cujo trabalho iremos examinar mais tarde, eram ambos psicólogos da psicologia profunda. Mas antes de prosseguirmos, vamos seguir os conselhos dados à jovem Alice durante os seus primeiros passos sangrentos no País das Maravilhas, e comecemos pelo princípio.

O que é a Psicologia Profunda?

Tradicionalmente, a psicologia profunda era qualquer método de trabalho psicanalítico que se concentrava no inconsciente. Hoje em dia, o termo "profundo" é frequentemente usado como abreviatura para as várias permutações do pensamento influenciado por Carl Jung, que pode incluir tudo desde a mitologia, à astrologia arquetípica, até à Terapia de Sistemas Familiares Internos.

Apesar da associação duradoura de Jung com o termo, psicologia profunda foi na realidade cunhada no início do século XX por um dos seus colegas, o psicanalista suíço Eugen Bleuler, que também cunhou o termo esquizofrenia.

Esta psicologia difere de outras escolas de psicologia (comportamental, cognitiva, humanista, etc.), na medida em que coloca o inconsciente como a principal força motriz dos nossos comportamentos e emoções. Porque ela própria é inconsciente, o inconsciente não pode ser conhecido pelas nossas formas habituais, lógicas e racionais de saber.

Portanto, a psicologia profunda emprega o uso de símbolos, imagens e metáforas para traduzir a linguagem da psique, que historicamente foi abordada através de sonhos e padrões na mitologia. Trabalhar com o mito é uma das marcas desta abordagem, e distingue claramente este campo da psicologia dos outros.

Contudo, é importante lembrar que na psicologia profunda, símbolos e imagens são sempre utilizados para descrever algo "como se", e não como representações literais. Este é um dos princípios mais importantes da psicologia profunda: Imagens e símbolos são utilizados pela psique para fazer referência a algo mais profundo e provavelmente desconhecido, mas algo que a nossa psique anseia descobrir. Na verdadeira psicologia profunda há sempre espaço para o desconhecido.

As raízes etimológicas da palavra psicologia podem ser entendidas como "o caminho para" ou "o estudo da alma". A psicologia profunda enfatiza esta noção inefável da alma, e coloca continuamente esta faceta incognoscível da experiência humana no seu núcleo. O que isto significa em termos práticos é um enfoque sobre as questões mais importantes que têm acompanhado a humanidade desde o início dos tempos: nascimento, morte, amor, perda, mistério, propósito, crescimento, decadência, e o significado de tudo isto. As próprias coisas que nos tornam humanos.

Quem foi Carl Jung?

Carl Gustav (C.G.) Jung (1875-1961) foi um psiquiatra suíço que ajudou a moldar a psicologia na disciplina que conhecemos hoje. O seu método de compreensão da psique, a que ele chamou psicologia analítica, forma o que é agora popularmente chamado "psicologia junguiana".

Durante muitos anos, Jung foi programado para se tornar o "príncipe coroado" e protegido de Sigmund Freud, mas os seus caminhos divergiram em 1912 por divergências quanto à realidade do "inconsciente coletivo", que Freud rejeitou sumariamente. A insistência de Jung de que existe um antigo e incognoscível repositório de informação psíquica, que informa a experiência humana voou em face das teorias cada vez mais dogmáticas de Freud, que se centravam no sexo e no prazer como as forças motrizes por detrás de todo o comportamento humano.

Esta rutura levou Jung a um longo período de introspeção a que ele chamou o seu "confronto com o inconsciente", durante o qual ele mergulhou profundamente na sua própria psique e imaginação. Eventualmente, este processo resultou no seu mapa detalhado e terminologia da psique, na sua prática de imaginação ativa, bem como no The Red Book e nos recentemente publicados “Black Books”.

Para um relato mais detalhado da vida e obra de Jung, os leitores devem consultar a sua autobiografia, Memórias, Sonhos, e Reflexões.

Jung empregou uma variedade de termos para descrever a sua compreensão da psique e todas as dinâmicas misteriosas que observou dentro dos seus pacientes (especialmente aqueles que sofrem de esquizofrenia grave), e dentro de si próprio. Conceitos como o inconsciente coletivo, arquétipos, sombra, anima, sincronicidade, individuação, e o Self, são todos termos que Jung cunhou e escreveu extensivamente.

É preciso repetir que estes termos devem ser entendidos como meros símbolos ou pontos num mapa, referindo-se a lugares ou dinâmicas dentro da psique que a nossa mente consciente luta para compreender. O próprio Jung disse: "As teorias da psicologia são o próprio diabo. É verdade que precisamos de certos pontos de vista para nos orientarmos...mas devem ser sempre considerados como meros conceitos auxiliares que podem ser postos de lado em qualquer altura".

Psicologia Profunda e Cultura Popular

Embora o trabalho de Jung tenha escapado à psicologia tradicional durante muitas décadas, o seu legado informa profundamente a nossa imaginação coletiva e a nossa cultura, talvez mais do que qualquer outra figura da história da psicologia.

O mitologista Joseph Campbell estudou profundamente o trabalho de Jung, e baseou muitas das suas ideias da Jornada do Herói nas teorias de Jung. George Lucas consultou Campbell enquanto criava Star Wars, possivelmente uma das séries cinematográficas mais significativas de todos os tempos. O poeta Robert Bly menciona Jung ao longo do seu livro Iron John, que preparou o caminho para o corpo de trabalho que agora é chamado "trabalho de homens". A analista e autora junguiana Clarissa Pinkola Estes, no seu texto duradouro, Mulheres Que Correm Com os Lobos, trabalhou diretamente com conceitos junguianos para abordar aspetos da psique feminina.

Qualquer referência a 'arquétipos' ou algo sendo 'arquétipo' invoca claramente Jung e o seu trabalho sobre estes padrões ilusórios, mas omnipresentes de ser. A sombra, ou 'trabalho de sombra', que se tornou algo como uma palavra-chave em psicadélicos nos últimos anos, conjura Jung também.

Do mesmo modo, Jung também cunhou o termo "sincronicidade", que poderia ser definido como uma coincidência significativa, e foi um fenómeno que o cativou durante décadas. Por último, qualquer referência ao "coletivo", remete para as noções de Jung de "inconsciente coletivo", que é um aspeto fundamental do seu modelo psicológico, e que abordaremos no nosso próximo artigo desta série "Psicadélicos em Profundidade".

Apesar de todas estas contribuições duradouras, Jung continua a ser de certa forma uma figura marginal. Há uma multiplicidade de razões para isto, uma das principais é que as suas teorias escapam à medição empírica, fora de uma visão de mundo racional-materialista a que agora chamamos "ciência". Mencionem o nome de Jung na maioria dos programas de licenciatura em psicologia e as probabilidades são de serem recebidos com ceticismo. A subversão e a marginalidade estiveram sempre, sem dúvida, no centro da psicologia profunda. Os próprios sonhos existem nas margens da nossa consciência, e podem muitas vezes dirigir a nossa atenção para áreas marginais da nossa psique que preferimos não ver. Conceitos como o anima/animus, que implicam que cada homem tem dentro de si uma alma feminina (e vice-versa), subvertem diretamente a compreensão básica da nossa cultura sobre o género. Os arquétipos revelam-nos que a nossa história de vida pessoal não é um acontecimento único e singular, mas sim, ligado a uma cadeia maior de experiências humanas.

Finalmente, a insistência da psicologia profunda sobre a realidade da alma pode ser vista como um ato revolucionário dentro de uma cultura que procura negar ativamente a existência de tal coisa. As consequências desta negação podem ser vistas dentro de cada grande tragédia histórica, interpessoal e ambiental perpetrada sobre as pessoas e o planeta ao longo do tempo.

Portanto, o significado da psicologia profunda estende-se muito para além dos limites do gabinete do terapeuta ou da sala de conferências da universidade, e estende-se até às antigas florestas de crescimento, comunidades indígenas e cidades do interior de todo o mundo.

A psicologia profunda não é apenas uma escola de psicologia, mas uma lente através da qual se pode perceber intimamente e envolver-se de forma significativa com o mundo mais vasto.

Psicologia Profunda e Psicadélicos

A psicologia profunda oferece um quadro imensamente útil para abordar o trabalho psicadélico, tanto como facilitador como psiconauta. Stanislav Grof, pioneiro da psicoterapia psicadélica e da psicologia transpessoal, descreveu o papel que os psicadélicos desempenham na psique, trazendo à superfície qualquer material inconsciente que tenha uma carga mais emocional. Vistos a partir desta lente, os psicadélicos, que muitas vezes trabalham diretamente com material inconsciente, poderiam portanto ser vistos como parte e parcela do campo mais vasto da psicologia profunda.

A interpretação da variedade de imagens e experiências que os psicadélicos podem evocar pode ser facilmente auxiliada por uma fundamentação em psicologia profunda, especialmente a compreensão da interação entre imagem, arquétipos, e complexos. Enfrentar e integrar a própria sombra é um aspeto central tanto do trabalho de Jung como da utilização da experiência psicadélica para o crescimento e cura pessoal.

Muitos livros valiosos têm sido escritos sobre a interação entre psicadélicos e psicologia profunda, incluindo o corpo de trabalho de Grof, Confrontação com o Inconsciente, e muito do trabalho de Ann Shulgin, Timothy Leary e Ralph Metzner. No entanto, a interação entre psicologia profunda e psicadélicos oferece imenso potencial nos domínios da investigação, metodologia terapêutica, e integração - mais do que acredito ter sido plenamente realizado.

A história da investigação psicadélica é quase inseparável da tradição da psicologia profunda. Stanislav Grof, bem como outros primeiros investigadores psicadélicos, abordaram o seu trabalho a partir de uma lente psicológica profunda. Devido a certas mudanças culturais ao longo do século XX, a investigação psicadélica atual dá prioridade à análise quantitativa e estatística que pode muitas vezes ignorar os aspetos altamente pessoais e emocionais da experiência psicadélica.

No entanto, a psicologia profunda exige que voltemos às experiências reais, problemáticas e subjetivas do indivíduo como o seu território primário de trabalho, e por esta razão oferece uma das mais valiosas lentes a partir das quais se pode ver a experiência psicadélica. Porque, tal como os seres humanos, não há duas viagens psicadélicas iguais, uma vez que são essencialmente reflexos do mundo interior multifacetado e infinitamente misterioso das almas corajosas que se atrevem a explorar as suas próprias profundidades desconhecidas.

Artigo Original de Simon Yugler, Psychedelics Today

Tradução livre por Catarina Cunha



Catarina Cunha
Catarina Cunha
Médica de Psiquiatria | SPACE (Direção)

Mais posts

5 Lições Importantes que Podemos Aprender com a Comercialização da Ketamina
  • Patrícia Marta
  • Ketamina
  • Psicadélicos
9 minutos de leitura

5 Lições Importantes que Podemos Aprender com a Comercialização da Ketamina

A Ketamina disparou em popularidade como o primeiro psicadélico a ser disponibilizado terapeuticamente nos Estados Unidos da América (EUA)....

5 perguntas a Robin Carhart-Harris
  • Pedro Mota
  • Personalidades
7 minutos de leitura

5 perguntas a Robin Carhart-Harris

Em 2014, Robin Carhart-Harris tornou-se a primeira pessoa a administrar legalmente LSD no Reino Unido desde que a substância foi proibida em...

Ver todos os posts