SPACE PortugalTornar-se [email protected]
Terapeutas psicadélicos devem ser treinados para estabelecer limites de cariz sexual

Terapeutas psicadélicos devem ser treinados para estabelecer limites de cariz sexual

16 de maio de 2022 17 minutos de leitura

  • Miguel Rosa
  • Psicadélicos

A experiência de sentir energia sexual ou de ter memórias durante estados psicadélicos pode conjurar feridas profundas podendo promover mais trauma ou mais cura à medida que estes sentimentos são trazidos à luz. A sexualidade pode ligar-nos com as partes mais vulneráveis e valiosas de nós próprios, assentando-se esta numa camada central das nossas psiques.

O psicólogo humanista Abraham Maslow coloca a sexualidade na camada fundacional da sua hierarquia de necessidades e motivação juntamente com as necessidades fisiológicas que se concentram na sobrevivência física. Freud designa a libido como a força principal do inconsciente. Não podemos subestimar o papel que a sexualidade, ou a falta dela, desempenha nas nossas vidas. É o cerne da nossa história evolutiva. Uma parte integrante da nossa totalidade.

Devido ao poder que a sexualidade pode ter na vida de alguém, devemos ser éticos e responsáveis quando ela emerge. Isto é especialmente verdade no caso de alguém que se encontre em setting terapêutico. O sexo e os psicadélicos são ambos conhecidos por serem experiências de dissolução de limites. Os sentimentos de cariz sexual que surgem durante a terapia podem ser tanto libertadores como confusos.

É depositada uma confiança imensa nos terapeutas com quem as pessoas partilham estas experiências. O trabalho com psicadélicos em ambiente terapêutico, pode ter tanto uma função reparadora de feridas ou traumas existentes como também ser em si traumatizante. Neste sentido, este trabalho deve ser abordado com muito cuidado e sensibilidade. Acredito que o primeiro passo para que os terapeutas assumam a responsabilidade ética de estabelecer limites adequados passe pela educação e a consciencialização deste problema.

As dissoluções de limites que a medicina psicadélica proporciona podem aumentar o número de situações em que os limites sexuais são ultrapassados em ambientes profissionais. Isto pode ter um efeito traumático significativo nos clientes, assim como no campo das terapias psicadélicas, e na forma como os psicadélicos são aceites pela cultura popular. Acredito que uma maior consciência em torno do tema, incluindo o desenvolvimento e auto-consciencialização de nós próprios como seres sexuais, é parte da solução.

Os guias, terapeutas e líderes espirituais são sobretudo humanos antes dos seus papéis profissionais e os humanos têm necessidades emocionais e sexuais profundas. Isto é algo a que não se pode fugir. Deve ser aceite, tal como a nossa necessidade de comer. Não é algo a ser ultrapassado, mas reconhecido, para que os terapeutas possam ser devidamente treinados para criar e estabelecer limites.

O terapeuta dentro do espaço profissional deve deter a sua própria energia sexual e satisfazer as suas necessidades emocionais e sexuais fora do ambiente profissional. Sem esta auto-consciência, estes impulsos evolutivos profundos podem tentar resolver-se com o cliente ou a energia sexual do terapeuta pode ser projectada sobre o participante.

Porque é que a Sexualidade não é totalmente abordada durante a formação de Terapeutas Psicadélicos?

Antes de continuar, quero ser transparente sobre o meu passado. Treinei com Françoise Bourzat (autora de Medicina da Consciência) e Aharon Grossbard, que recentemente foram alvo de alegações de que tinham ultrapassado as fronteiras sexuais dentro das suas práticas terapêuticas passadas.

Num post na plataforma Medium e num ensaio na Mad In America, Will Hall alega que Aharon o violou sexualmente enquanto recebia terapia psicadélica nos anos 90. Outro antigo cliente diz que Françoise se envolveu numa relação sexual inadequada com ele.

Treinei com curandeiros Mazatec em Oaxaca, México, com Françoise. Aharon foi o membro da comissão externa da minha tese de doutoramento. Não vivi nenhum tipo de abuso sexual enquanto trabalhava com Françoise e Aharon, mas estas alegações devem ser levadas a sério e devidamente abordadas. Durante o meu trabalho com eles não fomos treinados para entrar em contacto sexual com clientes e eu não testemunhei este comportamento.

Na minha prática como guia certificado a trabalhar na Jamaica, vi a energia sexual surgir organicamente em cerca de metade das pessoas que vejo ao trabalhar com substâncias psicadélicas num contexto terapêutico. Dado o seu importante papel na vida e o quanto ela se manifesta em estados de consciência expandidos, surpreende-me que a sexualidade tenha desempenhado apenas um papel muito pequeno nas múltiplas formações ou no campo geral da consciência.

No limite, apenas um dia de formação terá sido dedicado à sexualidade em qualquer uma destas formações. Isto não é culpa de nenhum instrutor ou professor, mas sim uma questão cultural mais vasta no que diz respeito à falta de consciência sexual.

Discussões públicas recentes sobre ultrapassar as fronteiras sexuais em contextos terapêuticos psicadélicos fazem parte de uma discussão muito maior sobre abuso sexual por parte de diferentes tipos de terapeutas. Pode surpreender a muitos de nós saber que, segundo o investigador Kenneth Pope, um em cada vinte terapeutas dormirá com um cliente ao longo da sua carreira.

Há anos que se sabe que os xamãs que realizam cerimónias têm dormido com os participantes - isto também acontece com padres, gurus e mesmo médicos. Estas são situações em que o participante está a ser emocionalmente íntimo e vulnerável. Em alguns casos, a experiência de proximidade pode trazer à tona a sexualidade tanto para o participante como para o terapeuta.

Nestas circunstâncias, o tipo de vinculação do participante também pode ser invocado, o que pode estar ligado a sentimentos de abandono. Experiências prévias não resolvidas, de fronteiras a serem ultrapassadas também podem ser activadas. Os traumas mais profundos que tenho visto com os clientes têm sido ligados a violações sexuais precoces, especialmente por pessoas que supostamente os deveriam proteger. Os terapeutas que trabalham com substâncias psicadélicas devem receber uma melhor formação para lidar com a sua sexualidade de modo a manter fronteiras profissionais.

Creio que os guias psicadélicos devem estar prontos para que a energia sexual surja no cliente. Isso não significa que devem incitá-los, mas que podem surgir organicamente no processo. O praticante deve saber que estes sentimentos podem ser uma parte essencial do processo de cura, e deve ser educado para manter limites bem definidos e criar um processo contentor para isso.

A questão da energia sexual que emerge em estados psicadélicos é complexa e merece muito mais amplitude e profundidade do que pode ser abordado aqui. Isto destina-se apenas a fazer evoluir a conversa daqui para a frente.

A Minha Viagem Através da Formação

Como quase todos aqueles que se formaram com Aharon e Françoise, também tenho muitos anos de formação além do trabalho com este casal. Muito pouco destas formações abordava a sexualidade. Recebi o meu Mestrado em Consciência e Estudos Transformativos na Universidade John F. Kennedy e o meu Doutoramento em Filosofia, Cosmologia e Consciência no Instituto de Estudos Integrais da Califórnia (CIIS).

Para além da minha formação académica, completei os dois anos de formação integral em psicoterapia somática Hakomi, assisti durante dois anos na formação do Certificado de Psicoterapia Psicadélica Assistida no CIIS, orientei durante um ano na Escola de Medicina da Consciência, estive na Diamond Approach durante quatro anos, e li mais de 75 livros apenas sobre psicadélicos. Fiz vários treinos na área do Tantra, uma tradição que se concentra na sexualidade para aprofundar o amor e experimentar directamente a espiritualidade.

A sexualidade afecta-nos dramaticamente, mas colectivamente muitos praticantes terapêuticos não têm uma consciência profunda tanto da sexualidade como das substâncias psicadélicas. O meu interesse na intersecção de sexo e substâncias psicadélicas começou muito antes das actuais discussões no campo da terapia psicadélica terem sido catalisadas pelas acusações contra Françoise e Aharon.

Os psicadélicos têm sido uma parte central da minha vida desde há vinte anos, e nos últimos dez anos eu próprio tenho estado constantemente em terapia para me concentrar no meu próprio crescimento. Os terapeutas devem estar preparados para fazer este trabalho interior para desenvolver uma relação saudável com a sua própria sexualidade e não prejudicar os outros.

Porque a energia sexual é uma parte essencial da nossa humanidade e central para quem somos como indivíduos, Arielle Brown, formadora e fundadora do Tantra Cósmico, juntamento comigo, criámos um webinar de três horas, em Agosto de 2021 chamado "Sexo e Psicadélicos": The Intersection of Erotic Energy, Space Holding, & Altered States of Consciousness" em colaboração com a San Francisco Psychedelic Society. Criámos o webinar para preencher algumas lacunas de consciência que vimos relativamente à sexualidade e aos estados psicadélicos. 400 pessoas compraram bilhetes para o evento online ao vivo e ainda é possível adquirir uma gravação no website da Sociedade Psicadélica de São Francisco. Também conduzo cerimónias legais sobre cogumelos contendo psilocibina na Jamaica com Retiros Atman e círculos de integração psicadélica com a San Francisco Psychedelic Society.

A minha dissertação é agora publicada como "The Psilocybin Connection": Psicadélicos, a Transformação da Consciência, e a Evolução no Planeta - Uma Abordagem Integral" pela North Atlantic Books e distribuído pela Penguin Random House e por todas as principais plataformas.

O que aprendi sobre o papel dos limites

Eu era um especialista em física e matemática antes de uma viagem de cogumelos me ter dito para deixar a física e concentrar o meu trabalho no desenvolvimento da consciência. Ao longo de todos os meus anos de formação, tenho trabalhado para compreender a evolução da matéria e da consciência. Isto encorajou-me a pensar profundamente sobre a importância das fronteiras na terapia psicadélica.

Para a segurança tanto do participante como do profissional, acredito que os terapeutas não devem ter contacto físico com os clientes enquanto a energia sexual estiver presente para o participante. Os limites podem tornar-se demasiado confusos.

Para além da formação inadequada e da falta de cuidado com a segurança de um participante, acredito que uma das razões pelas quais os limites são ultrapassados na terapia é porque na nossa cultura, a maioria das pessoas só tem intimidade emocional com os parceiros sexuais. Como este é o único ponto de referência para muitas pessoas, elas podem sentir que a intimidade ou o toque emocional deve levar ao sexo. A ligação emocional entre um terapeuta e o cliente pode ser um veículo para curar o participante sem contacto físico.

No seu bestseller do New York Times, "Set Boundaries, Find Peace", Nedra Glover Tawwab, uma terapeuta de longa data e especialista em relações, escreve: "Boundaries are the gateway to healthy relationships". É por isso que as fronteiras devem permanecer sólidas e respeitadas para que a relação permaneça saudável.

Os limites dentro de nós próprios, tal como dentro das relações, devem ser honrados. Muitas vezes, quando usamos substâncias psicadélicas, há uma ideia de que a resistência deve ser quebrada. Defendo que essa não é uma forma cuidadosa de avançar. A resistência é uma fronteira dentro de nós próprios. A resistência tem de ser honrada pelo guia e pelo participante. Foi-nos ensinado em Hakomi que honrar a resistência cria segurança e confiança. Estes são os ingredientes essenciais subjacentes que permitem a cura.

A resistência surgiu por uma razão. O obstáculo é o caminho. Quando honrada, e a pessoa se sente segura, a resistência tende a dissolver-se. Uma pessoa deve render-se a ter resistência antes de poder relaxar genuinamente. Só então a integridade de uma pessoa pode render-se autenticamente ao processo. Pedir a alguém que se abandone e atravesse os seus próprios limites, ou o praticante que atravesse os limites do participante, fará com que o participante se sinta inconscientemente violado.

A transferência é comum em psicoterapia. A transferência pode ser definida como o processo de um participante projectar emoções que eram originalmente dirigidas a alguém no seu passado directamente para o terapeuta. A contra-transferência é quando o terapeuta reage inconscientemente e por vezes conscientemente à transferência dos participantes e joga com a dinâmica.

Um exemplo particularmente relevante de transferência é se o participante teve os seus limites ultrapassados no passado e o trauma não está resolvido, e agora as emoções para com o perpetrador podem ser colocadas no terapeuta. A transferência pode acontecer no dia seguinte à sessão e não ser detectável pelo terapeuta no momento. Por conseguinte, é especialmente importante que o praticante mantenha distância física quando o trauma sexual emerge, para que não possa haver um mal-entendido da situação.

É natural que o trauma e a energia sexual reprimida surjam em estados psicadélicos. O investigador psicadélico Stanislav Grof, que co-fundou o campo da psicologia transpessoal e trabalhou com mais de 50.000 pessoas em estados de consciência ampliados, incluindo o LSD, ao longo da sua vida, acredita que os psicadélicos podem produzir estados "holotrópicos" de consciência, ou seja, estados de consciência auto-organizadores que conduzem à integralidade. Isto significa que a emergência orgânica do conteúdo e das energias no corpo precisa de integração para que se sinta inteiro.

Durante as suas seis décadas de trabalho no terreno, Grof criou uma cartografia da psique que se apresenta em estados holotrópicos de consciência. Ele chamou-lhes as Matrizes Perinatais Básicas, e a energia sexual desempenha um papel central nestas dinâmicas arquetípicas que descrevem o desenvolvimento da morte - e do renascimento comummente experimentado nestes estados. Os estados holotrópicos podem incluir a energia sexual reprimida - seja por causa de trauma ou prazer reprimido. É a força da vida. Muitas vezes, se integrada, a energia sexual leva a uma sensação de totalidade, confiança e vitalidade.

Tanto o sexo como os psicadélicos podem criar estados expansivos de consciência que têm a capacidade de produzir cura e sabedoria. Para além das ricas práticas que o Tantra oferece, oferece também uma cosmologia complexa, em que o universo é principalmente uma interacção de forças energéticas que se unem no amor. Isto está em ressonância com a profunda percepção psicadélica comum que somos todos um e o amor é o propósito da nossa existência.

Qual é o papel apropriado do toque na terapia?

Se for necessário estabelecer limites, qual é o papel adequado do toque na terapia? Penso que é necessário examinar mais o importante - e por vezes controverso - tópico do contacto físico entre terapeutas e clientes. Como alguém formado em práticas terapêuticas somáticas, há certas feridas que acredito que não podem sarar sem contacto físico. Descobri ser esse o caso na minha própria cura pessoal.

Tirar o toque da terapia é deixarmos perder algo bom ao eliminar o que está mal. Existem certas feridas traumáticas de desenvolvimento que são causadas por negligência do toque quando criança durante os primeiros anos de vida. Por exemplo, a regulação para um bebé não pode ser encontrada através de palavras ou conteúdos. O sistema nervoso de uma criança encontra regulação a partir de um corpo estável e nutritivo. A mortalidade infantil e os problemas emocionais dos adultos surgem quando os bebés não experimentam o toque.

O toque é a forma como aprendemos a regulação. O trauma de desenvolvimento ainda pode existir numa pessoa e eu acredito que é possível curar. O simples toque por um profissional, como segurar uma mão ou mão num ombro (com consentimento), pode ajudar dramaticamente a regular o sistema nervoso de uma pessoa em estado traumático. O toque em momentos de dor é a resposta empática natural de um humano para outro. Quando trabalhamos com substâncias psicadélicas, podemos tornar-nos ainda mais sensíveis ao tacto.

Em "Boundaries in Psychotherapy": Ethical and Clinical Explorations", publicado pela Associação Americana de Psicologia e escrito por Ofer Zur, o autor afirma que "O toque na terapia tem sido provavelmente o mais controverso de todos os cruzamentos de fronteiras, devido às associações culturais e profissionais do toque com a sexualidade. A maior preocupação é que o toque não sexual pode levar ao toque sexual e à exploração sexual... O conflito em torno do uso do tacto na terapia surge a partir de várias fontes. Existe uma tensão entre, por um lado, conhecimentos científicos bem estabelecidos que dizem que o toque é importante para o desenvolvimento humano e, por outro lado, as preocupações éticas com a exploração e o toque sexual nocivo dos clientes com terapeutas".

Zur prossegue, observando que "Uma vasta quantidade de dados científicos foi adquirida no último meio século sobre a importância do tacto para a ligação, desenvolvimento humano, cura e comunicação. A utilidade clínica do toque na terapia também tem sido estudada extensivamente e determinou conclusivamente que o toque melhora a aliança terapêutica e aumenta a sensação de confiança, calma e segurança. Contudo, há uma grande preocupação de que o toque não sexual possa levar ao toque sexual e à exploração dos clientes".

De acordo com Zur, a maioria dos inquéritos dos psicoterapeutas revelam paradoxalmente que 87% dos terapeutas tocam nos seus clientes, 85% abraçam os seus clientes, e 65% aprovam o toque como coadjuvante da psicoterapia verbal. Concluem que, "parece que, apesar de um ponto de vista de gestão de risco que o toque é tabu, a maioria dos terapeutas tocam nos seus clientes, e fazem-no de forma apropriada".

Parte do trabalho desenvolvido em setting terapêutico e em todos os outros ambientes, no que diz respeito ao toque, é importante criar uma cultura de consentimento. Em "Creating Consent Culture", de Marcia Baczynski (treinadora de comunicação sexual e co-fundadora do Cuddle Party) e Erica Scott (que dirige workshops sobre consentimento), os autores afirmam que a cultura do consentimento "é uma cultura em que as interações são colaborativas, e o mais mutuamente acordáveis possível. Na cultura do consentimento, as pessoas sentem-se no controlo da sua própria autonomia corporal e dos seus limites. Sentem-se livres para alterar esses limites em qualquer altura de acordo com os seus desejos e necessidades individuais".

Um problema relativo ao consentimento surge quando as pessoas estão sob a influência de substâncias psicoactivas. Num setting terapêutico mantido profissionalmente, é então o guia que deve conter os limites que foram previamente estabelecidos antes de entrar num estado alterado.

Num ambiente profissional em que o participante procura o terapeuta para um serviço, o dinheiro também ajuda a criar um limite para a troca de energia. O guia está aqui para o cliente. O participante está a pagar pelo talento e presença do guia. Os limites criam a estrutura das relações, e é da responsabilidade do guia manter esta relação profissional. Três limites que se destacam podem ser retirados de Leo Zeff, talvez o primeiro psicoterapeuta psicadélico underground e a pessoa que Alexander Shulgin, que sintetizou a MDMA, deu créditos por trazer a MDMA para a psicoterapia.

Zeff treinou uma centena de guias e trabalhou com vários milhares de pessoas nas décadas de 70 e 80. Ele ensinou que os três limites que o praticante estabelece com o participante são 1) Não se magoe a si próprio, a mim, ou ao ambiente; 2) Não saia do espaço; e 3) Não lhe tocarei sexualmente. Estes limites podem ser encontrados em “The Secret Chief Revealed”, sendo o Chefe Secreto um nome que Terence McKenna, o filósofo enteógeno, deu a Zeff.

Vale também a pena notar que estes limites também foram ensinados por Aharon e Françoise a todos os seus alunos; foi-nos dito para declarar estes limites no início de cada cerimónia. Apesar do seu próprio papel como formadores, se as acusações forem verdadeiras é justo perguntar se Aharon e Françoise estavam conscientes dos seus próprios limites, ou plenamente conscientes da dor que a exploração sexual de que são acusados pode criar para os clientes. Deve haver mais educação contínua para todos os praticantes de terapias psicadélicas e outros provedores de saúde mental.

Como as pessoas entram em estados de consciência mais sensíveis que se encontram geralmente na terapia tradicional, o campo da psicoterapia psicadélica traz consigo requisitos ainda mais elevados de responsabilização, uma vez que se integra nos serviços de saúde mental. Espera-se que a consciência adquirida com estes medicamentos também faça evoluir a ética do campo no processo.

Se é verdade que cerca de um em cada vinte terapeutas dorme com os seus clientes, esta exploração e abuso pode minar o potencial da terapia psicadélica, a menos que haja mais consciência e desenvolvimento em torno da sexualidade. Os psicadélicos podem potencialmente trazer uma cura colectiva sem paralelo à medida que avançam para a legalização e são integrados em instituições médicas e terapêuticas. Aqueles que os utilizam para a cura devem olhar profundamente para o lado oculto da sua própria sexualidade para ajudar a cumprir esta promessa.

Artigo Original de Jahan Khamsehzadeh, publicado no Lucid News a 06/05/2022.

Tradução livre por Miguel Rosa



Miguel Rosa
Miguel Rosa
Psicólogo | Membro Satélite SPACE

Mais posts

Tirando a Magia dos Cogumelos Mágicos
  • Patrícia Marta
  • Psilocibina
  • Psiquiatria
12 minutos de leitura

Tirando a Magia dos Cogumelos Mágicos

Nick Fernandez estava no inferno – um cheio de fogo e caveiras e os elefantes de pernas compridas de uma pintura de Salvador Dalí. Um espíri...

O próximo grande tratamento das Dependências
  • Pedro Mota
  • Perturbações Aditivas & Dependências
9 minutos de leitura

O próximo grande tratamento das Dependências

Várias substâncias psicadélicas têm vindo a ser apresentadas como tratamentos eficazes para o abuso de drogas e de álcool. Porém, a psiloci...

Ver todos os posts