SPACE PortugalTornar-se [email protected]
Tirando a Magia dos Cogumelos Mágicos

Tirando a Magia dos Cogumelos Mágicos

2 de agosto de 2022 12 minutos de leitura

  • Patrícia Marta
  • Psilocibina
  • Psiquiatria

Nick Fernandez estava no inferno – um cheio de fogo e caveiras e os elefantes de pernas compridas de uma pintura de Salvador Dalí. Um espírito tinha-o guiado até lá depois do seu funeral; outras paragens na sua viagem incluíram o Grand Central Terminal, o topo do Empire State Building e os esgotos que fluem sob a cidade de Nova York. O seu destino final foi uma caverna onde Fernandez encontrou o seu próprio corpo, pendurado num cabide. Ao examinar o seu corpo desta maneira, ele conseguiu ficar em paz com tudo o que o corpo passou e aceitá-lo como seu.

Fernandez estava a viajar com uma dose muito grande de psilocibina, o ingrediente psicoativo dos cogumelos mágicos. Ele tomou a substância como parte de um ensaio clínico na Universidade de Nova York para pessoas que lidam com ansiedade e depressão após um diagnóstico de cancro.

Esse estudo e vários outros descobriram que as drogas psicadélicas como a psilocibina são notavelmente boas a aliviar sintomas de depressão e ansiedade – mesmo em muitas pessoas que não respondem aos medicamentos prescritos atualmente. Elas precisam de ser tomadas apenas algumas vezes (a maioria dos ensaios clínicos consiste em duas ou três sessões psicadélicas) em vez de diariamente durante meses ou anos. Alguns especialistas dizem que a terapia pode ser pensada como uma cirurgia que resolve um problema com um único procedimento, em vez de um tratamento contínuo para controlar uma doença crónica.

Se alucinações como as que o Fernandez experienciou são a chave para a eficácia dos psicadélicos é agora uma questão de grande debate entre investigadores. A resposta pode determinar se milhões de pessoas recebem o tratamento tão necessário e pode fornecer uma nova visão sobre como as perturbações de saúde mental são tratadas daqui para a frente.

Espera-se que a psilocibina receba aprovação para a depressão pela Food and Drug Administration (FDA) até ao final da década, possivelmente nos próximos anos. Mas na sua forma atual, a terapia psicadélica estará disponível apenas para alguns. Por um lado, não é um tratamento fácil e conveniente de se submeter. Envolve várias sessões de terapia, além das experiências intensivas de um dia inteiro, o que pode ser física e emocionalmente desgastante, bem como dispendioso. Mais preocupante, surgiram relatos recentes de clínicos que se aproveitaram de doentes durante as sessões, quando estes últimos estão num estado incrivelmente vulnerável. Pessoas com história pessoal ou familiar de esquizofrenia também não são elegíveis atualmente para o tratamento, devido a preocupações sobre a possibilidade de as substâncias psicadélicas poderem exacerbar um risco subjacente de psicose.

Em resposta a estes obstáculos, alguns cientistas estão a trabalhar para desenvolver moléculas baseadas em psicadélicos que forneçam os benefícios terapêuticos das substâncias, mas sem as alucinações.

“Quando se considera o facto de que uma em cada cinco pessoas irá sofrer de uma doença neuropsiquiátrica em algum momento da sua vida, estamos a falar de um bilião de pessoas em todo o mundo”, disse David Olson, professor associado de química, bioquímica e medicina molecular na Universidade da Califórnia. “Precisamos de tratamentos escaláveis e, para isso, acho que necessitamos realmente de medicamentos que sejam facilmente administrados”.

O Dr. Olson e outros pensam que os efeitos dos psicadélicos no cérebro são o que lhes confere as suas propriedades terapêuticas, não a viagem psicadélica em que levam as pessoas, e que a experiência subjetiva das substâncias pode ser removida com manutenção do seu impacto na depressão. Investigação realizada em roedores e placas de Petri nos últimos anos sugere que isto pode ser possível. Vários estudos publicados pelo Dr. Olson e outros identificaram novas moléculas que atuam como os psicadélicos no cérebro e mantêm as suas propriedades antidepressivas sem causarem alucinações em roedores.

Outros investigadores estão céticos de que estes novos compostos funcionem em humanos. Para eles, as poderosas experiências emocionais e místicas causadas pelos psicadélicos são o que leva às descobertas terapêuticas das pessoas.

“Para se obter os tipos de benefícios persistentes que estamos a ver, que são semanas, meses, até mais de um ano depois, isso parece sugerir que existe algum tipo de mudança cognitiva ou alterações na construção de significado que estão a acontecer”, disse David Yaden, professor assistente de psiquiatria e ciências comportamentais no John Hopkins Center for Psychedelic and Consciousness Research.

As pessoas que participam em estudos psicadélicos costumam dizer que a experiência foi uma das mais significativas das suas vidas, a par com o nascimento de um filho ou a morte de um dos pais. Muitos relatam sentir uma sensação de conexão com o universo. “Esta viagem de psilocibina foi a experiência mais transformadora da minha vida”, escreveu Fernandez num artigo da Medium em 2018. “Forçou-me a reconciliar com a mortalidade de ser humano. Aliviou a minha ansiedade e deu sentido à minha vida.”

É esta catarse existencial e os insights pessoais que a acompanham que o Dr. Yaden e outros acreditam ser tão importante para a cura das pessoas. Apoiando a teoria, vários estudos descobriram que os sentimentos de conexão e significado e as experiências do tipo místico que as pessoas têm durante a viagem se correlacionam com os seus resultados terapêuticos.

Independentemente de qual lado esteja certo, a busca por uma resposta sobre como os psicadélicos tratam a depressão aproxima os cientistas da compreensão, não apenas de como aliviar os sintomas de doença mental, mas também de como potencialmente removê-los. Isso porque a visão verdadeiramente revolucionária, tanto da terapia psicadélica como dos seus primos químicos não-psicadélicos, é tomar os medicamentos não diariamente ou semanalmente, mas apenas uma ou duas vezes e potencialmente ser-se curado para sempre. “Não seria maravilhoso se tivéssemos um medicamento que uma pessoa pudesse tomar ao deitar e que depois acordasse no dia seguinte e já não estivesse deprimida?”, questionou o Dr. Bryan Roth, professor de farmacologia na Universidade da Carolina do Norte, que está também a trabalhar no desenvolvimento de compostos psicadélicos não-alucinogénicos.

A partir da década de 1960, os cientistas pensavam que a depressão resultava de níveis baixos do neurotransmissor serotonina no cérebro e que os medicamentos antidepressivos tradicionais, como os inibidores seletivos da recaptação de serotonina (SSRI’s), funcionavam ao corrigir esse desequilíbrio químico. Mas havia lacunas nesta hipótese. Mais notavelmente, os SSRI’s aumentam os níveis de serotonina de forma imediata, mas os sintomas depressivos geralmente não aliviam até várias semanas após o início da medicação.

Uma nova teoria emergiu na década de 1990 e início dos anos 2000 de que a depressão, assim como a ansiedade e perturbação de stress pós-traumático, pode resultar da perda de sinapses no cérebro – as ligações entre os neurónios. Os cientistas descobriram que as pessoas com depressão têm menos volume em regiões do cérebro importantes para o humor, controlo executivo e sentimentos de recompensa. Pensa-se que o stress crónico e a genética contribuam para a atrofia dos neurónios e suas conexões.

Descobriu-se que os medicamentos antidepressivos eram capazes de regenerar essas sinapses perdidas – um processo conhecido como plasticidade. É possível que, ao forjar novas ligações no cérebro, as pessoas possam começar a mudar padrões negativos de pensamento e recuperar o controlo sobre os impulsos ansiosos ou depressivos.

A plasticidade também acontece naturalmente, com conexões a crescer sempre que se aprende algo novo. No entanto, a localização e quantidade de plasticidade são diferentes dependendo da experiência. Eventos de vida formativos, como tornar-se mãe/pai e fazer o luto de um ente querido perdido, pode alterar o cérebro de maneiras significativas. Os cérebros de monges budistas e outros meditadores especialistas – pessoas íntimas com experiências místicas – também sofrem mudanças. Há até estudos que sugerem que a psicoterapia falada funciona em parte ao alterar padrões de atividade cerebral. O cérebro não muda muito durante a idade adulta, não como acontece na infância, quando milhões e milhões de neurónios e sinapses crescem e se perdem, mas não é estático.

Estas mudanças orgânicas tendem a ser subtis. A pessoa não vê elefantes de pernas longas enquanto medita e ninguém acha que ter um filho vai curar instantaneamente uma depressão ou fazer com que deixe de fumar – outro potencial uso terapêutico dos psicadélicos. As pessoas com depressão também parecem ter uma menor capacidade de ativar a plasticidade naturalmente, pelo que a medicação pode ser importante para iniciar esse processo.

Tal como os antidepressivos tradicionais, acredita-se que os psicadélicos confiram os seus benefícios terapêuticos ao induzir plasticidade no cérebro. Mas eles atuam muito mais depressa e mais intensamente. A ketamina, psilocibina e LSD estimulam o crescimento celular prolífico e proporcionam alívio psicológico numa questão de horas. Os psicadélicos podem ser uma forma de amplificar as alterações neuronais que são possíveis com os SSRI’s ou psicoterapia ou outras experiências humanas profundas, ou podem funcionar como um atalho. Algumas pessoas referem-se ao tratamento com psicadélicos como sendo 10 anos de terapia num dia.

É esta propriedade explosiva dos psicadélicos que os cientistas estão a tentar recriar nos novos compostos. Eles pensam que, ao religar rapidamente circuitos neuronais, podem transformar um cérebro doente num cérebro saudável.

“Não estamos a tentar produzir o próximo Prozac”, referiu o Dr. Olson. Em vez disso, o objetivo é alterar o cérebro de tal forma que produza mudanças positivas e duradouras – mudanças que possam parecer uma cura.

Mas alguns investigadores alertam que a plasticidade por si só não é necessariamente uma coisa boa. Colocar o cérebro num estado maleável sem proteções adequadas poderia até piorar os sintomas de alguém. Essa preocupação é uma das razões pelas quais tomar psicadélicos num ambiente recreativo não é o mesmo que usá-los em combinação com terapia, explicam os especialistas.

“Plasticidade, conforme definida no dicionário, é a capacidade de uma coisa ser moldada”, disse Robin Carhart-Harris, professor de neurologia e psiquiatria na Universidade da Califórnia, em San Francisco. “É só isso que se está a fazer quando se aumenta a plasticidade, e pode moldar-se alguém numa direção prejudicial. Você não quer fazer isso. É por isso que fazemos terapia psicadélica.”

Para o Dr. Carhart-Harris, a ideia de que os psicadélicos possam ser benéficos sem terapia ou sem a experiência psicadélica é altamente improvável. “Acho apenas que se baseia em suposições erradas de que se pode ter o efeito de plasticidade” sem uma alteração na consciência, justificou. “Eles podem criar algo parecido a tofu psicadélico ou microdosagem ou algo que não provoque grande viagem, que faz um pouco de plasticidade mas não é realmente transformador”.

Esta linha de pensamento implica que a plasticidade extrema e rápida induzida pelos psicadélicos é o que causa as alucinações, alterações emocionais e sentimentos de conexão. Se isto estiver correto, sugere que não se pode mudar o cérebro tanto e tão rapidamente sem o sentir – e experienciar algo extraordinário – e, se não se sentir nada, é porque pode não ter mudado assim tanto.

Segundo o Dr. Yaden, mesmo que as novas moléculas sejam bem-sucedidas em dissociar os benefícios terapêuticos das substâncias das suas qualidades existenciais ou místicas, algo será perdido ao remover a experiência psicadélica. E tendo em conta o quão significativas muitas pessoas consideram as suas viagens, o médico e professor comenta que negar aos doentes essa experiência poderia até ser uma questão ética. “Tenho dificuldade em encontrar um racional para reter uma experiência tão significativa”, disse, nos casos em que as pessoas não têm nenhum risco médico ou psiquiátrico.

A resposta do Dr. Olson é que os psicadélicos clássicos, e todos os que os acompanham, devem continuar a estar disponíveis para as pessoas que querem a experiência da terapia psicadélica. Mas ele espera que os novos compostos possam ser uma melhor alternativa aos antidepressivos atualmente disponíveis para as pessoas que não querem ou não podem passar pela viagem completa.

O que está em jogo neste debate é, não só a questão intelectual de como as substâncias que levam a pessoa para o inferno e de volta podem curar a depressão, mas também o futuro de como são administradas como medicamentos e de que forma chegam ao mercado.

Nos Estados Unidos, estima-se que 8,9 milhões de adultos tomem antidepressivos para tratar a perturbação depressiva major, mas para aproximadamente 30% deles, os medicamentos não funcionam. Se os psicadélicos fossem eficazes para mesmo uma fração destes indivíduos, seria um enorme benefício para a saúde comportamental, e para a indústria psicadélica. Já mais de 50 empresas de capital aberto surgiram para tentar capitalizar o entusiasmo em torno dos psicadélicos, transformando as substâncias de um movimento marginal em um mercado de bilhões de dólares. E isso sem a aprovação ou legalização pela FDA. Se a eficácia dos psicadélicos para a depressão fosse mantida, mas os obstáculos e alucinações fossem removidos, esse valor poderia explodir.

Vários dos investigadores envolvidos em ambos os lados têm interesses financeiros em jogo, com empresas de biotecnologia que eles fundaram ou consultam para entrarem na corrida de se tornarem o próximo psicadélico – alucinogénico ou não – a obter aprovação pela FDA. (Uma variação da ketamina foi autorizada para a depressão em 2019.)

Até então, os investigadores irão continuar a sua busca por meio do trabalho incremental e incerto de formulação, testes pré-clínicos e, esperemos, ensaios clínicos. “Sou agnóstico. Caio no caixote do ‘não sei’. Mas é uma hipótese que vale a pena testar”, referiu o Dr. Roth. “Não há dados definitivos sobre se é preciso uma experiência psicadélica ou se não é preciso uma experiência psicadélica. Pode-se interpretar os dados das duas maneiras, penso. O que digo é que gostava de descobrir. E é isso que estamos a tentar fazer.”

Artigo Original de Dana G. Smith, publicado no New York Times a 15/07/2022.

Tradução livre por Patrícia Marta



Patrícia Marta
Patrícia Marta
Médica de Psiquiatria | Membro Satélite SPACE

Mais posts

Os psicadélicos podem aliviar a depressão e a ansiedade em pacientes com doença oncológica
  • Pedro Mota
  • Psilocibina
8 minutos de leitura

Os psicadélicos podem aliviar a depressão e a ansiedade em pacientes com doença oncológica

Manish Agrawal é oncologista da Maryland Oncology Hematology no Aquilino Cancer Center em Rockville, Maryland, onde é diretor médico. Em 20...

Combinando Antidepressivos e Psilocibina: Um Olhar sobre a Investigação
  • Patrícia Marta
  • Psilocibina
  • Psiquiatria
8 minutos de leitura

Combinando Antidepressivos e Psilocibina: Um Olhar sobre a Investigação

Os estudos sugerem que se pode fazer ambos. A Ligação Entre Psilocibina e Depressão Ensaios clínicos recentes têm demonstrado o enorme pot...

Ver todos os posts