SPACE PortugalTornar-se [email protected]

Baixas doses de dietilamida do ácido lisérgico (LSD) aumentam a atividade cerebral relacionada à recompensa

LSDEnsaio Clínico

25 de outubro de 2022, Neuropsychopharmacology

Autores: James Glazer, Conor H Murray, Robin Nusslock, Royce Lee, Harriet de Wit

O interesse renovado em psicadélicos clássicos como tratamentos para perturbações psiquiátricas garante uma compreensão mais profunda de seus mecanismos neuronais. Doses únicas e altas de substâncias psicadélicas mostraram-se promissoras no tratamento de perturbações depressivas, talvez revertendo défices no processamento de recompensas no cérebro. Além disso, há relatos anedóticos de que a ingestão repetida de baixas doses de LSD, ou "microdosagem", melhora o humor, a cognição e a sensação de bem-estar. No entanto, os efeitos de baixas doses de psicadélicos clássicos no processamento de recompensas não foram ainda estudados. O estudo atual examinou os efeitos de duas doses únicas e baixas de LSD em comparação com placebo em medidas de processamento de recompensa. Dezoito adultos saudáveis completaram três sessões nas quais receberam placebo (LSD-0), 13 μg LSD (LSD-13) e 26 μg LSD (LSD-26) num ensaio duplo-cego. A atividade neuronal foi registada enquanto os participantes completavam a tarefa de atraso de incentivo monetário eletrofisiológico. Potenciais relacionados a eventos foram medidos durante o processamento de feedback (Potencial de Recompensa: RewP, Feedback-P3: FB-P3 e Potencial Positivo Tardio: LPP). Comparado ao placebo, o LSD-13 aumentou as amplitudes de RewP e LPP no feedback de recompensa (vs. neutro), e LSD-13 e LSD-26 aumentaram as amplitudes de FB-P3 no feedback positivo (vs. negativo). Esses efeitos não foram associados com a maioria das medidas subjetivas de efeitos da substância. Assim, doses únicas e baixas de LSD (vs. placebo) aumentaram três componentes do ERP relacionados com a recompensa, refletindo o aumento do processamento hedónico (RewP), motivacional (FB-P3) e afetivo de feedback (LPP). Estes resultados constituem a primeira evidência de que baixas doses de LSD aumentam a atividade cerebral relacionada à recompensa em seres humanos. Esses achados podem ter implicações importantes para o tratamento de perturbações depressivas.




Artigos relacionados

Ver todos os artigos