SPACE PortugalTornar-se [email protected]

Considerações sobre o uso de Ketamina a partir de ensaios controlados randomizados que compararam a Ketamina com a Eletroconvulsivoterapia na depressão grave

KetaminaEnsaio Clínico

28 de março de 2022, The Journal of Clinical Psychiatry

Autores: Chittaranjan Andrade

Cinco ensaios clínicos randomizados (ECRs) compararam a ketamina administrada principalmente por via intravenosa na dose de 0,5 mg/kg durante 40-45 minutos com a Eletroconvulsivoterapia (ECT) unilateral ou bilateral direita. Esses ensaios clínicos randomizados foram conduzidos em amostras de pacientes graves com depressão principalmente unipolar (com ou sem características psicóticas) que foram encaminhados para ECT. Destes, 2 ECRs eram de qualidade razoavelmente adequada; um, de facto, tinha uma população grande (n = 186) e teve um follow-up pós-tratamento de 1 ano. Nesses ensaios clínicos randomizados, a ECT surgiu como um tratamento claramente superior em relação à taxa de resposta, taxa de remissão, tempo de resposta, tempo de remissão e magnitude da melhoria com o tratamento; no entanto, a taxa de recidiva e o tempo de recidiva não diferiram entre os grupos de ECT e ketamina. A ECT mostrou-se superior em pacientes mais velhos e naqueles com depressão psicótica. Apesar destes resultados, as taxas de resposta e remissão com ketamina pareceram suficientemente altas para que a ketamina seja vista como uma alternativa viável à ECT em pacientes gravemente deprimidos que são encaminhados para ECT. Notavelmente, em tais pacientes, a ketamina não parece ter ação antidepressiva tão aguda; em vez disso, os benefícios evoluem ao longo de um curso de 6 ou mais sessões em dias alternados, três vezes por semana, validando o conceito de um curso de tratamento com ketamina que é administrado da mesma forma que a ECT. Finalmente, enquanto que as altas taxas de recaída após a remissão bem-sucedida incentivam o uso de ECT e ketamina como terapia de continuação, a continuação da ketamina deve ser cuidadosamente supervisionada em pacientes propensos ao abuso de substâncias.




Artigos relacionados

Ver todos os artigos