SPACE PortugalTornar-se [email protected]

Microdosagem com cogumelos contendo psilocibina: um estudo duplo-cego controlado por placebo

PsilocibinaEnsaio Clínico

2 de agosto de 2022, Translational Psychiatry

Autores: Federico Cavanna, Stephanie Muller, Laura Alethia de la Fuente, Federico Zamberlan, Matías Palmucci, Lucie Janeckova, Martin Kuchar, Carla Pallavicini, Enzo Tagliazucchi

O uso de baixas doses subperceptivas de psicadélicos ("microdosagem") ganhou popularidade nos últimos anos. Embora relatos anedóticos afirmem vários benefícios associados a essa prática, a falta de estudos controlados por placebo limita severamente nosso conhecimento sobre a microdosagem e os seus efeitos. Além disso, investigações conduzidas em ambientes laboratoriais padrão podem falhar em capturar a motivação dos indivíduos envolvidos ou que planeiem em se envolver em protocolos de microdosagem, subestimando assim a probabilidade de efeitos positivos sobre a criatividade e a função cognitiva.

Foram recrutados 34 indivíduos para iniciar microdosagem com cogumelos contendo psilocibina (Psilocybe cubensis), um dos mais utilizados para esta finalidade. Após um projeto experimental duplo-cego controlado por placebo, os autores investigar os efeitos agudos e de curto prazo de 0,5 g de cogumelos secos na experiência subjetiva, comportamento, criatividade (pensamento divergente e convergente), percepção, cognição e atividade cerebral.

Os efeitos agudos relatados foram significativamente mais intensos para a dose ativa em comparação com o placebo, mas apenas para os participantes que identificaram corretamente a sua condição experimental. Essas mudanças foram acompanhadas pela redução da potência do EEG na banda teta, juntamente com níveis preservados de complexidade do sinal de banda larga Lempel-Ziv. Para todas as outras medições, não houve efeito da microdosagem, exceto por algumas pequenas alterações em relação ao comprometimento cognitivo.

De acordo com estes resultados, baixas doses de cogumelos contendo psilocibina podem resultar em efeitos subjetivos perceptíveis e ritmos EEG alterados, mas sem evidências para apoiar o aumento do bem-estar, criatividade e função cognitiva. Os autores concluem que a expectativa está por trás de pelo menos alguns dos benefícios anedóticos atribuídos à microdosagem com cogumelos contendo psilocibina.




Artigos relacionados

Ver todos os artigos